Exposição apresenta método da APAC através da arte

Mostra “A Arte que Liberta” é uma resposta positiva ao incentivo a mudança de postura na recuperação

 

Já está aberta para a visitação do público no Centro Cultural da UFSJ, a exposição “A Arte Liberta”. Realizada pela Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC) de São João del-Rei, a mostra tem o propósito de mostrar alguns dos fatores de ressocialização que estão presentes dentro da instituição.

Segundo Antônio Carlos de Jesus Fuzzato, presidente da unidade em São João del-Rei, a exposição quebra paradigmas entre os recuperandos – como são chamadas as pessoas que cumprem pena na instituição – e a sociedade. “Visitando a exposição, as pessoas poderão sentir um pouco do coração dessas pessoas. Em cada uma das obras expostas os visitantes vão encontrar um pouco de cada um dos nossos assistidos”, explica.

“O título da exposição já é muito revelador, pois, a partir dos trabalhos artísticos realizados na instituição o processo é libertador neste aspecto, abrindo caminhos que nunca foram pensados”, enaltece.

Foto: William Carvalho

Setores

A exposição é composta por três setores. O primeiro, “A Estrela”, remete ao projeto desenvolvido na APAC pelo Projeto VOZ, que capacitou os recuperandos para usar diferentes linguagens artísticas, especialmente fotografia, vídeos e narrativas textuais. O segundo setor é o “Labor” que traz o aspecto da valorização do trabalho na ressocialização, como a pintura, a produção de origamis, de barcos e baús de palito e uma série de artigos em crochê. O último setor é o “Garimpo”: no espaço estão expostos os trabalhos realizados nas oficinas de serralheria, marcenaria e carpintaria.

A exposição é uma parceria com a Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) e o Centro Cultural UFSJ e está aberta ao público até o dia 27 de maio, de segunda a domingo, das 8h às 20h, com entrada gratuita. Durante esse período, a APAC realiza ainda cinco mesas redondas às quintas-feiras, para debate de assuntos como a Metodologia APAC, a Educação no Sistema Penitenciário e a mulher no cárcere.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *